A “cura” do câncer na TV: a polémica da fosfoetanolamina sintética em programas televisivos brasileiros

  • Aline Bastos Universidade Federal do Minas Gerais
  • Ana Carolina Pontalti Monari Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru-SP, Brasil
Palabras clave: Comunicación de Ciencia, Mediatización, Fosfoetanolamina Sintética, Fantástico, Domingo Espetacular

Resumen

Este artículo tiene como objetivo analizar cómo los programas televisivos Fantástico y Domingo Espetacular, respectivamente de las Redes Globo y Record, presentaron un nuevo descubrimiento científico - la fosfoetanolamina sintética - a la sociedad brasileña. La disputa simbólica y discursiva alrededor de la píldora quedó evidente en la polifonía demonstrada. Dos versiones de la misma historia fueron presentadas al público, prácticamente al mismo tiempo, en dos emisoras de televisión diferentes. Mientras que el programa Fantástico enfocó los peligros de utilizar un compuesto químico sin comprobación terapéutica; el programa Domingo Espetacular dirigió su enfoque a los relatos de los pacientes y las posibles mejoras atribuidas a la “píldora del cáncer”. Para el estudio, se utilizaron el análisis hermenéutico y las teorías de la comunicación de ciencia y mediatización.

Citas

ANCINE. TV Aberta no Brasil: aspectos económicos e estruturais. 2015. Recuperado de: https://oca.ancine.gov.br/sites/default/files/repositorio/pdf/Estudo_TVAberta_2015.pdf. [Acessado em: 5 de outubro 2018].

BASTOS, Fernando & PORTO, Sérgio Dayrell (2017): “Análise hermenêutica”, en Duarte, Jorge & Barros, Antonio: Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação, São Paulo, Atlas, pp. 316-329.

BRAGA, José Luiz (2006): A Sociedade enfrenta a sua mídia: dispositivos sociais de crítica midiática. São Paulo, Paulus.

BUCCHI, Massimiano (2008). “Of deficits, deviations and dialogues: theories of public communication of science”, en Bucchi, Massimiano & Trench, Brian: Handbook of public communication of science and technology, London, Routledge.

BUENO, W. C. (2010). Comunicação cientifica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Informação & Informação, Londrina, v. 15, p. 1-12. Número especial.

DI GIULIO, G. M.; Figueiredo, B. R. (2006): “Divulgação científica nas áreas ambientais e saúde pública”, en Sousa, C. M.; Ferreira, J. R. & Bortoliero, S. Jornalismo científico e educação para as ciencias, Taubaté, Cabral Editora e Livraria Universitária.

EPSTEIN, Isaac. (2012) Comunicação da ciência: rumo a uma teoria da divulgação científica. Revista Organicom, ano 9, edição especial, números 16/17.

ESTEVES, João Pissarras Nunes. Sociologia da Comunicação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011.

GOMES, D. C. A. (2015) Hermenêutica e comunicação: contribuições para compreender a teoria da interpretação e sua aplicação na sociedade midiática. NAMID/UFPB, ano 9, n. º 4.

HABERMAS, J. (2012): A transformação estrutural da esfera pública: investigações sobre uma categoria da sociedade burguesa. Tradução João José Pissarra Nunes Esteves. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.

HALL, S. (1980): “Encoding/decoding”, en Centre for Contemporary Cultural Studies (Ed.): Culture, Media, Language: Working Papers in Cultural Studies. London: Hutchinson, pp. 128-38.

HEPP, A. (2013). Cultures of mediatization. Cambridge, Polity Press.

HJARVARD, S. (2015). Da mediação à midiatização: a institucionalização das novas mídias. Parágrafo. V. 2, nº 3, pp. 51-62.

HJARVARD, S. (2014). Midiatização: conceituando a mudança social e cultural. MATRIZes. V. 8, nº 1. São Paulo, pp. 21-44.

HJARVARD, S. (2012). Midiatização: teorizando a mídia como agente de mudança social e cultural. MATRIZes. Ano 5, nº 2. São Paulo, pp. 53-91.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - PNAD Contínua: acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal. 2016. Recuperado de: https://www.ibge.gov.br. [Acessado em: 5 outubro 2018].

LIPPMANN, W. (2008). Opinião pública. Petrópolis, Vozes.

LUHMANN, N. (2000). The reality of the mass media. Stanford, CA, Stanford University Press.

OLIVEIRA, F. (2012). Jornalismo científico. São Paulo, Contexto.

SODRÉ, M. (2002). Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis, Vozes.

SEIBT, C. L. (2016): “A hermenêutica heideggeriana e a questão do conhecimento”. Conjectura - Filosofia e Educação, V. 21, nº 3, Caxias do Sul (RS), pp. 188-214.

SCHUDSON, M. (2010) Descobrindo a notícia: uma história social dos jornais nos Estados Unidos. Petrópolis, Vozes.

THOMPSON, J. (2007). Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis, Vozes.

Publicado
2019-08-08
Sección
Artículos - Comunicación de la Ciencia en Iberoamérica